Parafraseando a Dr.ª Rute Remédios, as opiniões são como as vaginas: cada uma tem a sua e quem quiser dá-la, dá-a. Neste blog, Julie D´aiglemont dá a sua. Opinião, claro. E nem sempre da forma mais respeitosa. Isso ofende a vossa sensibilidade? Então, ide, ide. Ide ler o programa de um qualquer partido de extrema esquerda, que de certeza é mais consentâneo com vossos princípios morais.





quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Funerais

Em conversa com amigos, eu disse que não lidava muito bem com velórios, funerais e demais cultos relacionados com a morte.
E eis que o meu namorado respondeu: "Eu lido muito bem. Quer dizer, não tão bem como quando era pequeno. Mas nessa altura eu adorava ir a funerais".
Perante a minha estupefacção, ele esclareceu: "Como vivia perto do cemitério, assim que avistava ao longe um funeral, preparava-me logo para integrar o cortejo".
E ainda achou por bem acrescentar: "E normalmente ficava na frente, de forma a não perder nada".
E foi assim que percebi que, além de ser muito jeitosinho a passar a ferro, o moço tem outra utilidade: representar a família nos funerais.

31 comentários:

Pusinko disse...

Lá estarás tu a representar a família noutros eventos em que ele não se sinta particularmente confortável. Parece-me bem. Então a parte de passar a ferro, não o deslargues ó Julie!

Violeta Extravagante disse...

É sempre bom ter alguém que passe bem a ferro...muito bom mesmo!!
Funerais, tb me mete um bocado de bertoeja, mas lá está eu não vivia ao pé de cemitérios.
Bom dia e um beijo

Anónimo disse...

Ainda estou a assimilar essa informação. Vocês estão muito bem feitos um para o outro, sabias?

Beijos muuuuitos,

L.

Maria disse...

O Moço só têm boas qualidades, portanto. Estás bem servida .

Helena disse...

Não é o único. Quando era chavalita fazia um berreiro se a minha mãe não me pegasse ao colo para ver o morto...

m, disse...

isso é um bocado mórbido x)

Bloga-mos disse...

Espero que o moço não se passe com o ferro e tenha a Julie que o substituir nos enterros. Aconselho cuidados redobrados nas tarefas caseiras, sempre que incluam pedaços de metal ligados à corrente. E , sim com esses também...

L.O.L. disse...

Vocês ainda não viram isto:

http://tasebemnaminhabarraca.blogspot.com/2011/07/funerais-em-angola.html

Ísis disse...

Ó Julie tu nem penses em largar o moço. Passar a ferro? Ele é uma raridade :) Bjs

AC disse...

O rapaz é perfeito...gostar de funerais em qualquer altura pode dar jeito, e passar a ferro dá sempre jeito daí a minha conclusão:))
bjs*

S* disse...

Macabro!!

Zezé Marialva disse...

Por outras palavras, para além de ter jeito para dona-de-casa o "moço" também gosta de coscuvilhar a desgraça alheia...

'Tá-se mesmo a ver quem é que usa calças aí em casa!

Olha, manda-o para figurante dos programas "day-time" da Julia Pinheiro e afins.

Maria Papoila disse...

Explica a foto!!

Quando era miúda morava ao pé do Hospital, mais concretamente ao lado da casa mortuária. Acho que é por isso que sou um ser demente!

Maria Papoila disse...

Ó L.O.L. os funerais em Angola, antes de mais, são motivos para faltar ao trabalho.

"Dótora, tive um óbito"

E lá vão eles!

AVOGI disse...

Hummm queres emprestar cá o jeitoso para passar a ferro?
será que faz mais coisinhas boas ou é só essa? hã? disseste algo?

" Smile disse...

Solidariedade!

Miss Murder disse...

Eu não queria esse trabalho. Detesto funerais!

Malena disse...

Huuummmm.... espero que seja jeitosinho noutras coisas!! :P

Anónimo disse...

Eu gostava era de saber se, quando lhe morrer alguém chegado, ele vai achar graça a ter curiosos no cortejo. A mãezinha do fedelho não lhe ensinou o que é ter respeito pela dor dos outros? Que cambada de anormais...

Martini Bianco disse...

Ahahaahhaah... Eu por acaso só hoje descobri que moro à frente de um funeral. Sempre achei estranho numa rua tão banal haver 3 lojas de flores... flores > cemitério :)

Capitu disse...

Pronto, choquei! Seu namorado poderuia viver na minha cobertura... tem um cemitério na parte detrás. Dá para assistir de camarote a todo o velório!

Susi disse...

Credo! Bem mas se fosse como o funeral aí na foto até seria uma animação!

Anónimo disse...

É nos funerais que se ouvem as melhores anedotas.

Mãe de Bragança disse...

Estas brasileiras não perdem tempo, já está de olho no namorado da outra!!!

Uma mulher não pode dizer nada que elas saltam logo em cima parecem piranhas.

Queres cobertura, queres... O que tu queres sei eu, ó galdéria!!

JUST A GIRL disse...

Podes não acreditar, mas quando era pequena (ai com os meus 9, 10 anos) era como o teu namorado. Não falhava um cortejo fúnebre quando ia passar férias com os meus avós. Confesso que agora quando penso nisso acho tudo um pouco mórbido, mas a verdade é que ficava igualmente na fila da frente. Curiosidade de criança? Não sei... espero que não me elejam a representante na família em funerais por causa disto :)

Blizard Beast disse...

Eu sei passar a ferro também e cozinho que é uma maravilha, candidatas façam fila e mandem-me o C.V sff. Com foto a cores de corpo inteiro...

Zezé Marialva disse...

Ó Beast, é cozinho ou cuzinho o que ofereces?

Com essa foto que tens aí todo enbonecado mais pareces uma gueisha.

E para que queres o CV delas? Parece que tu é que estás a candidatar-te a mulher-a-dias, ó "jeitosa".

MarcoLino disse...

Eu gosto é de velórios. Além de encontrarmos amigos que não víamos há anos, aprendemos imensas anedotas novas.
É pena que o receio de assaltos, esteja a acabar com a tradição de velar o morto toda a noite. Era pela madrugada que os velórios animavam, quando as velhas, tolhidas por horas sentadas na mesma posição, começavam a ajeitar-se nas cadeiras e volta e meia ouvia-se um peidinho. ahahah

Anónimo disse...

Valha-nos o sentido de humor, senhores, valha-nos isso!

Anónimo das 19h01, meta gelo nisso vá... Vai ver que acalma. Conselho de amiga que de anormal tem um bocadinho mas felizmente para si não lhe chega aos calcanhares. Teria horror a roubar-lhe o protagonismo nas tiradas infelizes.

Julie, eu estava lá, ouvi o mesmo que tu e tenho a dizer-te que não estás a fazer justiça a Pavel. Pavel referiu, com grande pena minha, que hoje em dia acha a situação um bocadinho mórbida. E olha que não me lembro de Pavel referir que "sempre que avistava um funeral se preparava para integrar o cortejo". Pavel não se preparava. Pavel corria para lá e não falhava UM CORTEJO QUE FOSSE. E reparaste com certeza na nostalgia no olhar, espero... Pavel daria uma excelente carpideira, que poucas há nos dias que correm, e ainda por cima, para veres a ironia da coisa, Pavel tem atributos por natureza que as carpideiras precisam de cultivar com carinho e esmero: o bigode.

Em jeito de conclusão, a devida vénia à minha querida amiga Julie (já tenho saudades tuas, biAtch!): Ao ter anónimos idiotas, ascendeu sem qualquer dúvida ao estatuto de blogger de sucesso. Minha linda, prepara-te que é agora que recebes telemóveis.

Beijoca,
L.

Petra disse...

hahahhahahahhahahhhahhahhaha Julie só tenho é a agradecer-te os momentos de altas gargalhadas que este blog me proporciona..... hahahahhahahhahhahahah o post e os anónimos... ta de lascarrrrrrrrr. hahaha. bom fim-de-semana sua tripeira doida.

LM disse...

Hummmm..... M E D O .
;)