Parafraseando a Dr.ª Rute Remédios, as opiniões são como as vaginas: cada uma tem a sua e quem quiser dá-la, dá-a. Neste blog, Julie D´aiglemont dá a sua. Opinião, claro. E nem sempre da forma mais respeitosa. Isso ofende a vossa sensibilidade? Então, ide, ide. Ide ler o programa de um qualquer partido de extrema esquerda, que de certeza é mais consentâneo com vossos princípios morais.





sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Estendido ou deitado


Imaginem, por mero exercício de conjectura, uma rapariga que viveu a maioria dos seus dias refasteladíssima em casa de seus pais, sem ter de se preocupar em cozinhar ou limpar.
Imaginem que essa moça casa com um rapaz que vivia sozinho e estava habituado às lides domésticas e até as encarava com galhardia, mantendo a sua casa sempre limpa e arrumada.
Agora imaginem que os dois decidem partilhar tarefas, ficando ela com a incumbência de cozinhar e ele de limpar a casa toda com excepção da cozinha. Face aos antecedentes do moço, ela acredita que não haverá problemas.
E as coisas correm bem. Mas ela começa a notar que ele tem uma visão um pouquito abrangente das tarefas dela, pois esquece-se amiúde de ajudar a levantar a mesa, de pôr a loiça na máquina, de pôr a roupa a lavar e depois a secar, etc. e tal.
Um dia, depois do jantar, ela vai carregar a máquina da roupa e quando volta para a sala descobre-o a dormir a sono solto -rodeado pelos filhos felinos- repousando sua despreocupada cabecita sobre um braço fletido. Em cima da mesa repousam também os restos de salmão assado e os pratos (os marafados não terão ido sozinhos para a cozinha!).
E agora imaginem que ela decide engrossar a sua colecção de fotos em que ele está a dormir em posições pouco usuais (já tem algumas e uma ou outra está num blog), porque pretende fazer um dia uma instalação artística a exibir perante todos os amigos subordinada ao tema “estendido ou deitado”.
E ela decide que, assim sendo, mais vale usufruir do privilégio de ter a cama só para si e poder dormir na diagonal (é um hábito que esta heroína fictícia tem, que querem?). E, placidamente, deixa-o a dormir na sala.
E no dia seguinte ele acorda com um torcicolo horrível e dores no corpo todo.
Imaginem que isto acontecia. Seria um preço pequeno a pagar por ter cagado para as tarefas domésticas, não?

13 comentários:

Pseudo disse...

Julinha, a criatura é que tem que chegar à conclusão do que é que é melhor para ele: se ter dores costais ou arrumar a mesa da cozinha; ele aprende ...isto, se quiser continuar a dormir com os filhotes felinos :)

Safira disse...

LOL

Ai que mazinha...
Estou muito solidária com o rapaz, já que faço esta figura muito amiúde. Os gatos são parecidos e tudo :)

Ana disse...

Eu tirava-lhe a mantinha, assim para além de acordar dorido, acordava também gelado.

Prezado disse...

São os gatos. Dão sono. Livra-te deles.

Rosebudd disse...

Podes sempre fazer como a tua amiga que colocou posts coloridos em tudo o que não estava arrumado. Um dia, percebeu que a casa parecia uma instalaçao vanguardista de posts.

S* disse...

Ao menos teve companhia da boa... mas mereceu o torcicolo. :P

Petra disse...

Loool.

M D disse...

O que faz um homem que está farto de estar BEM na vida?

...

... casa-se!! ;)

Malena disse...

Preço pequeníssimo!!!

Mas que te apeteceu fazer-lhe uma festinha e ficaste um 'cadito arrependida, lá isso... ;)

Lusty Capuccino disse...

O que ele inventa só para a dormir com os gatuchos! A culpa é tua que não os deixas partilhar o leito matrimonial.

Susi disse...

Ai já te casaste pois é! Ando mesmo desactualizada! Eu acho que é bem feita ele acordar cheio de dores já que não arrumou nem limpou nada! :p

ps: na foto o cabelo dele parecia-me mais um gato enrolado ahahahaha

RioD'oiro disse...

Mas que impiedosa.

:)

W. C. Fields disse...

Não há nada melhor para uma boa noite de sono que a companhia de gatos.

WC Fields