Parafraseando a Dr.ª Rute Remédios, as opiniões são como as vaginas: cada uma tem a sua e quem quiser dá-la, dá-a. Neste blog, Julie D´aiglemont dá a sua. Opinião, claro. E nem sempre da forma mais respeitosa. Isso ofende a vossa sensibilidade? Então, ide, ide. Ide ler o programa de um qualquer partido de extrema esquerda, que de certeza é mais consentâneo com vossos princípios morais.





terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Castigos jurídicos

Um conhecido meu que é advogado tem por hábito usar preceitos jurídicos no que tange aos castigos que inflige ao filho quando este se porta mal. Se o miúdo estraga alguma coisa, por exemplo, atira-lhe com um “Cometeste um crime de dano, previsto e punido pelo art. 212º do Código Penal, e vais ter de cumprir uma pena”.
Ora, há algum tempo, o pobre petiz fez uma patifaria qualquer que agora não vem ao caso e foi-lhe cominada a pena de uma semana sem playstation (sentença devidamente envolvida com o entediante jargão jurídico).
Passou uma semana e o rapaz lá entendeu que tinha cumprido o castigo que lhe fora aplicado. E dedicou-se a jogar PS.
O desalmado pai logo lhe lembrou que estava de castigo. Ao que ele replicou que não, que tinha sido castigado no Sábado, há precisamente uma semana.
E o mesquinho logo lhe lançou um “Mas não sabes que segundo o art. 279º do Código Civil na contagem do prazo não se inclui o dia em que ocorrer o evento a partir do qual o prazo começa a contar?”
E a desafortunada criança lá foi desapossada do brinquedo sem dó nem piedade.
Mas serviu-lhe de ensinamento, porque passado algum tempo voltou a portar-se mal e voltou a ser sujeito à pena de cassação de playstation.
Ora, passavam apenas alguns minutos de o pai lhe ter ditado o castigo e já estava o deleitado moço a gozar da sua consola.
Quando o pai fez intentos de lha retirar, ele gritou-lhe: “Não, não, que no outro dia disseste que o código diz que o castigo só começa a contar no dia seguinte. Por isso, hoje ainda posso jogar”.
E o pai meteu a viola no saco.

17 comentários:

Estudante disse...

Ahaha x) fiquei fã dessa criança!

Teresa disse...

Lindo!!!!

S* disse...

ahahah Espertalhaço!

Pseudo disse...

hahaha.....essa petiz é o máximo! Eu digo-te uma coisa: as crianças são peritas em usar contra nós os argumentos que usamos com elas! O meu, de vez em quando, também me cala deste modo!

Pai chato!

marta, a menina do blog disse...

Na boa velha onda do "Tá calado e cala-te!"

Embrulha, cota!!

RioD'oiro disse...

:)

Malena disse...

Rapaz inteligente, carago!!! ;)

AC disse...

Esperta e cheia de subterfúgios a criança, palpita-me que um dia será advogado:)

Maria disse...

Ahahah, não conheço, mas adoroooooo esse puto.

A. supremus disse...

Um "faro" jurídico delicioso :)

Ana Sá disse...

O Direito é assim... simples. lol

Pusinko disse...

Que pai velhaco a usar esse palavreado! Por outro lado... está a treinar um artista na arte de refutar argumentos como deve ser.

AVOGI disse...

Tem a quem sair o gasguito
kis .=) e se calhar vai ser advogado

Pulha Garcia disse...

O engraçado é que na vida real é mesmo assim ...

Manuel disse...

AHAHAH, está disponível para a adopção?

CoisasDaGaja disse...

Há adultos que não fariam melhor! :) Grande puto!

Maria Papoila disse...

Muito bom!