Parafraseando a Dr.ª Rute Remédios, as opiniões são como as vaginas: cada uma tem a sua e quem quiser dá-la, dá-a. Neste blog, Julie D´aiglemont dá a sua. Opinião, claro. E nem sempre da forma mais respeitosa. Isso ofende a vossa sensibilidade? Então, ide, ide. Ide ler o programa de um qualquer partido de extrema esquerda, que de certeza é mais consentâneo com vossos princípios morais.





quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Anais da Estupidez

Perigo: monóxido de di-hidrogénio

É um assassino invisível, não tem odor, cor nem cheiro, mas mata milhares de pessoas por ano. A maioria das mortes deriva da inalação involuntária do produto, mas os seus problemas não acabam aí. A exposição à sua forma sólida pode causar estragos graves na pele.”

Pode causar queimaduras, suores e vómitos e tem sido encontrado em tumores de pacientes em estado terminal. É um dos componentes da chuva ácida, contribui para o aquecimento global, acelera a corrosão de alguns metais, diminui a eficácia dos travões de automóveis e perturba circuitos eléctricos. Apesar de tudo, é abundantemente usado como dissolvente industrial, em pesticidas e na produção de alimentos enlatados.

A teimosia do governo dos E.U.A. é certamente devida a interesses económicos e militares, que persistem na utilização de DHMO.

Nathan Zohner, um estudante de Idaho Falls, apelou à participação pública, lançando um abaixo-assinado, que obteve grande adesão.

Mas afinal o que é o perigosíssimo monóxido de di-hidrogénio? Água, meu amigos, é água!

O objectivo do estudante era testar a credulidade do público e a adesão sentimental a protestos. Contabilizou 86% de apoios, 12% de indecisos e 2% de cépticos que compreenderam o logro. Ganhou um prémio pelo embuste.

Por isso, antes de reencaminharem e-mails com pedidos de ajuda, certifiquem-se de que a causa é válida.

2 comentários:

Manuela disse...

Julie, tu descobres cada coisa mais engraçada!!
Essa do reencaminhamento dos mails, já me deixou a pensar algumas vezes. Aqui está a prova, provada ;)
Beijinhos

noiseformind disse...

A estupidez humana ha muito que confirmou a teoria de Eistein que comparava os seus limites aos do Universo e mesmo assim com receio de estar a pecar por defeito.

Ainda o ano passado so por desatar a gritar "Bomba" num cinema do Barhein consegui ver o Avatar sozinho. Case closed.