Parafraseando a Dr.ª Rute Remédios, as opiniões são como as vaginas: cada uma tem a sua e quem quiser dá-la, dá-a. Neste blog, Julie D´aiglemont dá a sua. Opinião, claro. E nem sempre da forma mais respeitosa. Isso ofende a vossa sensibilidade? Então, ide, ide. Ide ler o programa de um qualquer partido de extrema esquerda, que de certeza é mais consentâneo com vossos princípios morais.





sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Sugestão de prenda catita para os petizes (#2)

Desta vez sugiro uma miniatura de ditador sanguinário como presente natalício, que qualquer criança apreciará.
Quem nunca brincou com um Pol Pot de peluche, um Estaline articulado ou um Pinochet de porcelana?
E parecendo que não, um pequeno Hitler é perfeitamente conjugável com outros brinquedos. Por exemplo, ofereça-se também o "Risco", o jogo de tabuleiro baseado em estratégia militar, e a criança poderá fingir que dá ordens a Rommel para dizimar os exércitos dos aliados.
Ou então, junte-se à oferenda o jogo "Operação" e o petiz poderá fingir que está a instruir Mengele em como retirar órgãos a prisioneiros judeus da forma mais tortuosa.
E quem diz um Hitler, diz um pequeno Saddam Hussein para o petiz fingir que gaseia curdos, ou a réplica de um guerrilheiro das FARC, capaz de traficar e assassinar simultaneamente.
Fica a sugestão.

2 comentários:

Martini Bianco disse...

Tmabém poderias ter escolhido o Stalin... que raio, sempre a baterem no suicida... mas pronto, é mais conhecido.. entende-se..

Julie D´aiglemont disse...

Eu não escolhi, os pais da criancinha da foto é que escolheram. Se eu pudesse escolher um ditador, escolheria o Kadafi.