Parafraseando a Dr.ª Rute Remédios, as opiniões são como as vaginas: cada uma tem a sua e quem quiser dá-la, dá-a. Neste blog, Julie D´aiglemont dá a sua. Opinião, claro. E nem sempre da forma mais respeitosa. Isso ofende a vossa sensibilidade? Então, ide, ide. Ide ler o programa de um qualquer partido de extrema esquerda, que de certeza é mais consentâneo com vossos princípios morais.





segunda-feira, 15 de março de 2010

Agora falamos "Manuel Machadês"?

Hoje fui a trabalho ao Marco de Cananeses, terra de Carmen Miranda... e, em tempos, de Avelino Ferreira Torres.
Como deixei meu carrito estacionado no parque do "MarcoShopping", dirigi-me à máquina de pagamento, onde introduzi a quantia necessária e premi um botãozito para obter um recibo.
Após o que olho para o ecrã da dita e vejo escrito: "O JUSTIFICANTE SOLICITADO ESTÁ A SER PROCESSADO".
O estivador que há dentro de mim gritou para a máquina: "Essa merda toda para dizer que o caralho do recibo está a ser imprimido?" Felizmente, ninguém ouviu...
UPDATE: Em caso de dúvida sobre se a expressão correcta é "imprimido" ou "impresso", é fazer o favor de se dirigir à zona dos comentários, onde se trava um aceso debate acerca da questão. Assimcumássim, os estivadores não são grandes oradores...

19 comentários:

Osk disse...

Se ninguém ouviu, tudo bem...mas para o caso de na próxima vez haver alguém a ouvir, será melhor dizer: "Essa merda toda para dizer que o caralho do recibo está a ser IMPRESSO?"

Catherine Linton disse...

Ahahahahahahahhahahahahahahahahahaha! É que não consigo deixar de rir. Macacos me mordam (expressão deliciosa, mas salvo seja!) se não há coisas nesta vida que sabem bem melhor ditas pelo espírito do estivador mais brejeiro que se apoderou de nós três segundos antes.

Julie D´aiglemont disse...

Sr. OSK: é IMRIMIDO, caralho (outra vez o carroceiro). Tive essa dúvida quando estava a redigir o post. Indaguei. Aborreci várias pessoas. Conclui que era "imprimido". Posso ser carroceira, mas prezo muito a língua materna.

Julie D´aiglemont disse...

Puta que pariu, OSK!! Agora também fiquei a achar que é IMPRESSO. Foda-se pó caralho, detesto ser corrigida por um engenheiro! Ass: Estivador do Porto de Leixões.
P.S. Só não vou corrigir, porque os estivadores não são célebres pelo domínio do português. Ou,se calhar, vou... Sei lá! Estou tão confusa! Estheeeeeeer!

Osk disse...

«“Impressa” e “imprimida” são duas formas que provêm do verbo imprimir. Este verbo admite dois particípios passados: um regular – imprimido – que se usa com os verbos “ter” e “haver” e outro irregular – impresso – que se usa com os verbos auxiliares “ser” e “estar”.» Espero que tenha sido esclarecedor! Gostei do senhor estivador! Tem de aparecer mais vezes!

Osk disse...

Ah...justiça seja feita ao senhor Google! Até tenho vontade de dizer: "Senhor Google, amo você!", por muito gay que isso pareça...

Catherine Linton disse...

Mas, mas... Impresso não será quando o dito actua como agente (olha que bonito) da passiva? Estou, qual Floribella, um pouco confusa.

Catherine Linton disse...

Ah, e só para que não restem dúvidas acerca do lirismo dos estivadores, uma vez fui abordada por um trolha que disse, e passo a citar, o seguinte:

Que esfinge! Altiva que é, parece que flutua!

Estive vai não vai para lhe pedir o número de telefone.

Osk disse...

Julie, se é para ser à estivador, que o seja completamente..Penso que estamos de acordo que um estivador nunca diria imprimido, quanto muito impresso. Na minha opinião seria algo como: (Atenção!Ler como se fossem realmente um estivador leixonense.) "Fôda-se!!Tanta merda para dizer que tãoum a fazêre o caralho do recibo, fÔda-se...!"

Julie D´aiglemont disse...

Olhe, Cathy, este estivador diria ao sr. eng. osk: "Anda cá, que a mãe unta-te!" Depois que ouvi dizer que havia engenheiros que faziam exames por fax, nunca mais confiei em nenhum...

Osk disse...

Agora ofendeu-me...Meter no mesmo "saco" que o inginheiro da Covilhã...é caso para dizer, foda-se...Suponho que deduziu que eu era eng. apenas porque ripostei o post Inspirações(#2). Cuidado com as deduções!

Julie D´aiglemont disse...

O senhor me desculpe pela dedução. Realmente se há profissão que ultimamente é mais vilipendiada que a advocacia, é a engenharia. Suponho, portanto, que não lhe cause especial comoção se eu disser que todo e qualquer engenheiro é um rematado vigarista...

Osk disse...

Com certeza que não!esteja à vontade! Aliás, apraz-me dizer que sou a prova viva da sua última afirmação! Só não concordo com a sua tabela classificativa de profissões vilipendiadas...

Osk disse...

Ok, depois de melhor reflectir, concordo consigo... Conseguimos subir e assim ultrapassar a advocacia, depois da notícia do violador de Telheiras. Mas apenas porque foi descoberto depois do senhor José Galamba. Ah, a sua dedução estava correcta. ;)

Julie D´aiglemont disse...

Devo lembrá-lo, sr. eng., que na minha vetusta profissão pontua também José Maria Martins... Aliás, tenho de fazer 1 post sobre ele. Orgulho-me tanto de pertencer-mos à mesma classe profissional! E já agora, Sodôna Cathy Linton, que profissão devo insultar para atentar contra a sua dignidade profissinal?

Julie D´aiglemont disse...

PERTENCERMOS e não "pertencer-mos". Da-se! lém de carroceira, sou ignorante. Tanto dinheiro com a minha educação que os meus pais poderiam ter gasto em vinho...

Osk disse...

Na altura de fazer o dito post sobre José Maria Martins, aqui fica uma "piquena" inspiração! http://www.youtube.com/watch?v=O-JIYUsvI-Y

Catherine Linton disse...

Bem, eu sou Psicóloga, logo... Está tudo dito. :D
(Vou buscar as pipocas, que isto aqui está engraçado!)

Julie D´aiglemont disse...

Infelizmente, hoje já não tenho inspiração suficiente para a insultar, porque tenho de honrar a minha classe: ainda hoje tenho de dar entrada com um processo de execução contra um pobre desgraçado, que já nem tem onde dormir... mentira!! Mas... me aguarde!