Parafraseando a Dr.ª Rute Remédios, as opiniões são como as vaginas: cada uma tem a sua e quem quiser dá-la, dá-a. Neste blog, Julie D´aiglemont dá a sua. Opinião, claro. E nem sempre da forma mais respeitosa. Isso ofende a vossa sensibilidade? Então, ide, ide. Ide ler o programa de um qualquer partido de extrema esquerda, que de certeza é mais consentâneo com vossos princípios morais.





quarta-feira, 18 de maio de 2011

Resposta ao post anterior:


A diferença é que na 1ª foto o meu adorado gatucho ainda tinha a perna traseira do lado direito. Entretanto, foi atropelado por um cabrão a quem desejo uma vida digna do Purgatório de Dante. Apesar de ter sobrevivido, a pernita teve de lhe ser amputada. Devo dizer que, apesar do sofrimento pelo qual passámos (ele e eu, claro), ele tem uma vida perfeitamente normal com apenas 3 pernas.

Digam lá se este não foi o "descubra as diferenças" mais bizarro que algum dia viram, eh!eh!

NOTA: Estas imagens já têm 5 anos. Na altura o Fígaro tinha 7 anos, agora já tem 12. Mas continua lindo e parece muito mais novo. Em Outubro fiz um post com ele e com o meu outro dono (sim, eles ordenam, eu obedeço). Confiram aqui se o Fígaro não continua deslumbrante.

31 comentários:

A.S. disse...

Julie,

Os gatos são animais soberbos!


Um beijo... portuense! :)))
AL

marta, a menina do blog disse...

Foi.

E que o outro sacana vá parar à Coina e leve também obras de alargamento, que quem faz mal aos bichos nem devia ter nome de gente, era cuspir-lhes na cara e meter-lhes um manguito à frente dos olhos!

Leana disse...

Nunca lá chegaria!

Só te posso dizer que o Fígaro é um valente como poucos!
Ganhou a minha admiração!
(E tu também por cuidares dele com tanto amor!)

Bjinhosss

Julie D´aiglemont disse...

A.S.: Um grande beijo tripeiro para ti também.

Marta: o que deixou doida com o gajo que o atropelou foi que nem sequer parou. Porque eu compreendo que as pessoas não possam prever que um gato se atravesse na frente, mas não parar...! A sorte é que a minha mãe assistiu ao incidente e levou logo o gato ao veterinário.
Muitos beijinhos.

Julie D´aiglemont disse...

Leana: isto era só uma brincadeira, não estava à espera que alguém descobrisse.
Eu e o Fígaro agradecemos muito os elogios.
Beijocas.

Cricri disse...

É um belo gatão, e sortudo, por ter uma dona que se preocupa com ele.

Queen of Hearts disse...

Tadinho do Fígaro (por ter sido tão maltratado pela vida), mas feliz dele por ser um resiliente e ter uma dona tão dedicada. Eu morro de medo que aconteça alguma coisa aos meus, de modo que nem saem do apartamento e pronto. Consolo-me com a ideia que os gatos são bichos "territoriais".
Ainda no passado domingo à noite tive o desprazer, o desgosto mesmo, de testemunhar em directo, ao vivo e a cores o atropelamento de um cãozinho vadio por um selvagem que ia na minha rua (rua residencial) pelo menos a 90 / 100 kms/h. E tenho as minhas dúvidas quanto ao cariz acidental desse atropelamento. Só sei que nem dormi nessa noite. Apetecia-me dar ao tipo uma sova de criar bicho.

Prezado disse...

TRIPÉ!! é o meu fetiche, ter um gato com 3 patas para o chamar Tripé.

Nandita disse...

Que fofura!
Sim, eles safam-se muito bem em 3 patas (e já vi cães de uma força impressionante, que vivem só com 2... com ou sem carrinho, são os maiores!). E, às vezes, é mais difícil para o dono do que para o bichano :) eles adaptam-se que é uma coisa louca!

L.O.L. disse...

Que horror. Eu adoro animais. Também tenho um gato e é o ser vivo em quem mais confio. Detesto gentalha que maltrata os animais. Não merecem o ar que respiram.

caramelo disse...

Apesar do trauma continua gordinho e lindo.:D Já o meu depois de ter sido atropelado por uma grande(bitch), perdeu peso e o pêlo começou a cair.
:(
mesmo forçando com os cuidados acabou por fugir e nunca mais regressou.
tens um gatinho lutador:)

Pusinko disse...

Grande Gato e grande Dona!
Imagino o sofrimento. E Acho ótimo que encarem o lado bom. Festinhas no Fígaro :)
Beijo

AVOGI disse...

Oh pobre-rico bicho! coitado dos cambdos coxos e pernetas que deles é o reino dos céus
kis .=)

Teresa disse...

Julie,
Fiquei sem palavras e com um ódio de morte a tamanho monstro. Um beijo enorme para o valente Fígaro, que me lembrou logo o meu querido Quico:

http://gotaderantanplan.blogspot.com/2008/08/lies-de-vida.html

ricman disse...

Ha uns anos tive um que perdeu as patas da frente numa armadilha.
Mas teve uma vida normal, longa e, até, fecunda: deixou vários descendentes. Com 4 patas cada u,m, é claro.

Podem só ter 4 patas mas têm mesmo 7 vidas ;)

I. disse...

Gosto tanto de gatos pretos.

Lembraste-me uma cena, em que ia no carro com me mate e vimos um gatinho atravessar-se na estrada e ser atropelado. O sujeito não parou, parámos nós e me mate, o doido por gatos e todos os bichos em geral, sem pensar, atirou-se à estrada para tentar pegar no pequenito e dar-lhe auxílio. O gato estava tão assustado que fugiu, vá lá, não estaria muito ferido. Andámos coisa de uma hora na zona, a espreitar por baixo dos carros e em todo o canto escuro a ver se o encontrávamos, e nada. Ainda hoje penso no bichano e espero que tenha sobrevivido :(

Julie D´aiglemont disse...

Crici: o Fígaro agradece muito elogio, ele sabe que é lindo, eh!eh!

Queen of Heats: o Fígaro também está impedido de sair de casa depois do que aconteceu. No máximo vai ao jardim, mas com supervisão de alguém, não vá ter ensejo de ir para a rua.

Prezado: foi precisamente isso que lhe chamei quando ele ficou com 3 patitas: o meu gato tripé (há que encarar as coisas com humor). Mas já não fui a tempo de lhe mudar o nome, claro, porque ele na altura já tinha 7 anos.

Nandita: ele faz uma vida perfeitamente normal: corre, trepa, brinca... E Está cada vez mais lindo!

LOL: somos os dois "cat persons"... apesar de eu ter mais cães do que gatos, confesso que tenho uma predilecção por gatos.

Caramelo: isto já foi há 5 anos. Ele agora tem 12 anos e continua como sempre: fofo, lindo e brincalhão. Lamento muito pelo teu pequenito, realmente nem todos são geneticamente fortes como o Fígaro. Os irmãos gémeos dele, Rigoleto e Traviata, não eram, infelizmente.

Avogi: este perneta ainda não é dono do reino dos céus (graçadeus), mas é o rrei lá de casa, eh!eh!

Teresa: muito obrigada.

Ricman: o teu ainda era mais valente do que o meu: perdeu as 2 pernas da frente e sobreviveu?! Isso é que se chama agarrar a vida... com as pernas de trás, eh!eh!

I.: bendita sejas por parar quando vês um animal a sofrer. Há tão poucas pessoas que fazem isso...

Beijinhos a todos e muito obrigada pelos elogios ao Fígaro. Os elogios que foram feitos a mim não são merecidos, porque limitei-me a fazer o possível por quem me dá muito mais do que lhe posso dar (mesmo). Já tive muitos gatos, todos maravilhosos, mas o Fígaro é a perfeição felina: lindo, meigo, inteligente, brincalhão, não faz asneiras, não arranha nem morde as pessoas (mesmo quando brinca) e ostenta sempre um ar que transparece felicidade!

Julie D´aiglemont disse...

Pusinko: o Fígaro sofreu mesmo muito, mas segundo o veterinário cicatrizou em tempo record. Temos de encarar as coisas pelo lado positivo e brincar com as situações. Até acho que ele ficou mais bonitinho como tripé, eh!eh!

Rafeiro Perfumado disse...

Bizarro é favor, assim a roçar o macabro! Mas numa coisa tens razão, os bichos adpatam-se muito melhor que nós a situações extremas. O meu, por exemplo, é surdo, e nem por isso deixa de ser feliz e de me lixar as mãos todas com as garras.

beijoca!

André disse...

Fígaro- Adorei o nome.

Anos atrás namorei com uma rapariga que tinha um Gato também preto, e que também perdera uma pata.
O gato era extremamente anti sociável mas não só gostava de mim como me fez passar a gostar verdadeiramente de gatos- continuo a ser uma pessoa de cães.

Inferno de Dante parece-me pouco.

Petra disse...

Oh eu adoro gatos.... o que importa é que ele se tenha adaptado bem....
Mas acredito que tenha sido um grande sofrimento para vocês....

Julie D´aiglemont disse...

Rafeiro: tens um gato surdo? Vamos criar uma associação de deficientes felinos?

André: chama-se Fígaro, porque fazia parte de uma ninhada de três todos com nomes ligados à ópera. Os outros 2 eram o Rigoletto e a Traviata.

Petra: felizmente o sofrimento durou poucos dias, porque ele reagiu tão bem à cirurgia de amputação, que até o veterinário ficou surpreendido. Disse que ele cicatrizou em tempo record.

FireHead disse...

O meu gato Nero também é preto e também teve um acidente no ano passado: caiu do terraço e ficou com o joelho deformado. Quando o levei ao veterinário já era demasiado tarde: o osso já tinha ficado consolidado. O Nero continua a ter uma vida perfeitamente normal, mas não deixo de ficar triste quando o vejo assim tão novo e meio a mancar enquanto anda.
Gostei dessa cena do "Purgatório de Dante". Cada qual tem o que merece.

Julie D´aiglemont disse...

Firehead: uma das gatas do meu namorado caiu há cerca de um mês do 4º andar. Consegui-se tratar-lhe dos problemas motores, mas acabou por sucumbir na semana passada a uma infecção intestinal provavelmente causada pela queda, mas que só foi detectada pelos veterinários tardiamente. Foi muito triste.
Tal como o teu Nero, o Fígaro obviamente que coxeia, mas ele não parece nada incomodado, sobe as escadas a correr mais rapidamente do que eu.
Fiz a alusão ao Purgatório de Dante, porque me incomodou mais na descrição dos castigos do que o Inferno. Não sei bem porquê.

FireHead disse...

Infelizmente também já tive um gato que morreu assim, o Bonifácio Júnior (tigrado cinzento) também depois de ter caído do terraço. Morreu um dia depois devido a uma hemorragia interna que não detectámos a tempo.
O meu gato mais velho, o Yoyo (preto e branco), tinha 8 anos e morreu no ano passado com Peritonite Infecciosa Felina.
E faz em breve mais um ano que morreu o meu primeiro gatinho (também tigrado cinzneto) aqui em Portugal.
Eu adoro gatos e neste momento tenho três (dois amarelos e um preto), mas parece que o destino não quer que eu tenha gatos tigrados cinzentos.

Teresa disse...

A minha saudosa Messalina (esta que está na minha fotografia de perfil, sim) caiu de um sexto andar quando tinha quatro anos. Não partiu nada, não teve lesões internas, só deslocou o maxilar (que o veterinário lhe pôs imediatamente no lugar com um lápis) e... ficou quase sem dentes.
Nos dois meses seguintes só conseguia comer ração mole, mas depois adaptou-se novamente à seca.

Às vezes as quedas de andares mais baixos acabam por ser mais perigosas, porque eles têm menos tempo para preparar a aterragem. Mas nunca olho para as varandas da casa da minha Mãe sem um calafrio, a ver aquela altura medonha.

Messy morreu com quase 15 anos, de uma insuficiência renal, outro grande inimigo dos gatos.

Julie D´aiglemont disse...

Firehead: o problema dos animais é terem vidas tão curtas. Também já sofri a morte de tantos, mas tantos... Alguns morreram no meu colo.

Teresa: um dos gatos do meu namorado também caiu do mesmo andar que a gata e resistiu incólume, sem um arranhão.
Tive uma gata, Garfi, que foi ficando sem dentes, mas eu dava-lhe comida apropriada e ela manteve-se gorducha até morrer aos 13 anos (nasceu quando eu andava na 4ª classe, morreu quando eu andava no 5º ano de Direito - foi como se me morresse um familiar).
Quanto às doenças renais, vários dos meus adorados felinos morreram por essa causa: o Balzac, o Obelix, a Traviata... Como o Fígaro é portador de imunodeficiência felina (para já não está activa, graças a Deus), estou a preparar a quase inevitabilidade de também vir a ter problemas nos rins. O veterinário aconselhou-me a dar-lhe todos os dias meio comprimido de Fortekor 5 e é o que tenho feito.

Teresa disse...

Sim, Julie, continue com o Fortekor 5 em meio comprimido todos os dias, Eu acrescentava-lhe o Lespedezia Capitata diariamente (um comprimido minúsculo que a gente lhes atira à goela com toda a facilidade, é para aí um terço de um de sacarina). Essa combinação deu-me mais cinco anos de Messy com grande qualidade de vida. Há uma farmácia da Av. de Roma que faz o manipulado, nos primeiros tempos só conseguia o xarope, que é horrível (provei, sim senhora) e só conseguia arranjar em França. Nem imagina a quantidade de roupa e de toalhas turcas que Messy me estragou a cupir aquilo (é uma espécie de tintura).

Quando a crise renal de Messy se declarou (Novembro de 2003), esteve mais de um mês internada. Chegou a pesar 1,050 kg. Quando voltou para casa, o veterinário já me tinha ensinado a picá-la para lhe dar soro diariamente. Nem imagina o calvário que foi. Cada 50 gramas de peso conquistados foram uma vitória (eu pesava-a duas vezes por dia, tamanha a minha obsessão). No dia glorioso em que atingiu os três quilos abri uma garrafa de Veuve Clicquot.

E a minha dívida de gratidão para com o veterinário é eterna. Joaquim Henriques. A Cat whisperer.

Pergunte ao seu pelo Lespedezia Capitata, se precisar indico-lhe a farmácia e a composição (é um manipulado homeopático).

Julie D´aiglemont disse...

Muito obrigada pela sugestão, Teresa.

Teresa disse...

P.S. E um quarto de drageia de Viterra, dia sim, dia não.
Aquilo é difícl de cortar como o diabo, acabava por estargar metade, até ter comptado numa farmácia uma engenhoca baratíssima para cortar comprimidos.
Pergunte também ao seu veterinário.

EJSantos disse...

Adoro cães e gatos.
Prefiro cães, mas também adoro gatos.
E o cabrão que te atropelou o gato, se o fez de proposito, que vá para o ca####o...